Tradição cultural e religiosa, Queimação de Palhinhas marca o fim do ciclo natalino no Maranhão

A artesã Izabel Matos, um dos grandes nomes da escultura do Maranhão, ainda se recuperava de um cateterismo quando recebeu um convite que lhe encheu de orgulho: ser a madrinha do presépio no ritual da Queimação de Palhinhas 2020, ponto alto das festividades do Dia de Reis, data que marca o encerramento do clico natalino para os cristãos, celebrada no dia 6 de janeiro.

“Como eu sou maranhense e participo deste festejo há alguns anos, isso para mim foi uma honra muito grande, ser madrinha exatamente neste ano”, conta a artesã.

Tradição secular no Maranhão e em alguns países da Europa, a celebração relembra a visita dos três Reis Magos à manjedoura do menino Jesus.

O grupo Reis das Nuvens, que há mais de 50 anos realiza o ritual na comunidade do Maracanã, zona rural de São Luís, abrilhantou a festa neste ano.

Acompanhado de uma banda marcial, o grupo saiu em cortejo pelas ruas do Centro Histórico em direção ao Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho, onde foram rezadas ladainhas e foi iniciada a desmontagem do presépio, com os galhos de murta que enfeitavam a manjedoura, sendo lançados ao fogo, quando são renovados os pedidos e louvores de paz e esperança para o novo ano.

Coordenadora do grupo Reis das Nuvens, Matilde das Neves cresceu com a tradição. Com o falecimento do seu pai, ela ficou responsável por manter as festividades de reis que vêm passando de geração em geração.

“É uma luz, é uma força que nós recebemos, uma coisa inexplicável. Me sinto muito bem. Essa tradição é centenária. Quando nasci, já encontrei a festa”, diz Matilde.

Cultura, fé e devoção

Para diretora do Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho, Ana Cláudia Damascena, o momento é marcado por emoção, devoção e fé.

“Estamos mantendo e realizando aquilo que é cultural. Já é uma tradição. É prazeroso poder receber as pessoas que neste momento vêm pra cá fazer um ato de devoção e de fé”, frisa a gestora.

Uma das maiores referências do Tambor de Crioula do Maranhão, Mestre Amaral foi o escolhido deste ano para ser o padrinho do presépio. Ele acredita que, além da manifestação religiosa, o ritual é uma tradição cultural do estado.

“É tudo pra mim. Quando eu recebi o convite para ser padrinho, foi uma surpresa e eu fiquei muito feliz. Eu só tenho a agradecer e estou muito feliz em estar participando. Essa é a nossa cultura”, destaca o artista.

A tradicional Queimação de Palhinhas é uma realização do Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secma).

Contatos

contatos

98 3227-9561
98 3235-2480
98 3235-8087
98 3268-2867

Links Úteis
Localização

localização